quinta-feira, 1 de novembro de 2012

LXXXIV.

Quero que me solte, e mergulhar na dor da desconfiança pra ter motivo de ser, leviana, vil.
E que se descuide para que me atire, eu quero... enganar, sujar, matar. Não posso pensar nisso, não posso mais pensar.